Translate

quarta-feira, 18 de abril de 2018

A formação de cidadãos

Sócrates "corrompendo" a juventude.

Quando da ocasião da reforma curricular do ensino fundamental e médio há alguns anos, houve uma grande discussão sobre o número de disciplinas e sobre seus conteúdos, sobre o suposto excesso de disciplinas, sobre a suposta inutilidade de algumas delas e sobre a suposta vantagem formativa de outras. Não quero aqui entrar nessa discussão diretamente. Quero aqui defender a idéia de uma disciplina que não existe no currículo obrigatório do ensino formal brasileiro.

Antes de expor a idéia dessa disciplina, gostaria de falar um pouco sobre o fim que ela visaria ajudar a atingir. Sim, ajudar a atingir, porque sozinha ela seria incapaz de tal resultado. Ela visaria ajudar a formar cidadãos, pois esse, na minha opinião, é o objetivo principal do ensino fundamental e médio.[1] Ela ajudaria e não seria a única responsável porque cidadãos seriam o resultado da educação informal recebida em casa e da educação formal recebida nas instituições formais de ensino.

Mas o que é um cidadão? Cidadão é aquele que faz parte de um estado, usufruindo dos direitos reconhecidos legalmente e garantidos por esse estado e tendo que cumprir as obrigações legalmente determinadas nesse estado.[2] Um dos direitos que também é uma obrigação no estado brasileiro, é o voto popular. Todo cidadão brasileiro tem o direito e o dever de votar (coisa que não é um dever nos EUA, por exemplo). O voto popular é o meio para escolher todos os ocupantes dos cargos de dois poderes: o executivo e o legislativo. Essa votação ocorre nas três esferas: municipal, estadual e federal. Os cargos do poder judiciário, no Brasil, não são eleitos pelos cidadãos (outra coisa que também é diferente em alguns estados dos EUA[3]), mas são ocupados mediante concurso público, ou eleição interna, ou indicação através de um processo que inclui a aprovação por parte de membros dos outros dois poderes. Pois bem, notem que falei de muitas coisas a respeito do sistema político brasileiro: cidadão, direitos, deveres, voto, cargos, poderes, esferas, executivo, legislativo, judiciário, indicação, concurso público, etc. Tudo isso é de extrema importância para a organização política, social e econômica do nosso país, para se dizer o mínimo. Por isso, aqui é o lugar se de fazer a seguinte pergunta: não é de se estranhar, para se dizer o mínimo, que no currículo de formação do ensino formal do nosso país não haja nenhuma disciplina dedicada explicitamente a ensinar essas coisas? Pois bem, a disciplina que imagino seria dedicada a ensinar como funciona o nosso sistema político, administrativo e legal, entre outras coisas. Mas uma tal disciplina não deveria ensinar apenas sobre como nosso sistema político, administrativo e legal é, mas também sobre outros sistemas políticos, administrativos e legais possíveis diferentes do nosso. Além disso, essa disciplina deveria também ensinar sobre os seguintes assuntos: ética e política, lógica, epistemologia e análise estatística. Seguem-se as razões para a inclusão de todos esses tópicos.

Um cidadão deve ter habilidade para pensar sobre questões importantes para a sociedade, tais como questões éticas e políticas. As respostas a questões éticas são estruturantes da sociedade, seja porque as discussões sobre leis são baseadas largamente em discussões sobre questões éticas, seja porque os costumes dos cidadão são grandemente influenciados por suas crenças éticas. Por exemplo: anterior à discussão sobre se as escolas deveriam incluir nos seus currículos assuntos políticos e éticos (a discussão sobre a famigerada escola "sem partido"[4]) está a discussão sobre por que temos escolas, instituições de ensino formal, pois nem sempre elas existiram.[5] Mas há outras questões: qual é o melhor sistema econômico? Qual é o melhor sistema político? O aborto é justificado? A eutanásia é justificada? O suicídio é justificado? Por que a produção e consumo de álcool e cigarros são legais e a produção e consumo de outras drogas, como a maconha, é proibido? Há justificação para consumir produtos de origem animal? Casais do mesmo sexo têm direito ao casamento civil? O voto popular deve ser obrigatório? O estado deve ser laico? Qual deve ser a atitude de um tolerante frente a um intolerante? Homens e mulheres devem ter os mesmos direitos? Há maneiras factíveis de se organizar a sociedade sem o estado? A liberdade de expressão deve ser ilimitada? E essas são apenas algumas das questões ético-políticas importantes para se pensar nosso sistema sócio-político.

Pensar com rigor e critério sobre tais assuntos deveria ser uma habilidade exercitada por todo cidadão. Mas, infelizmente, isso ocorre com pouca frequência. Pensar com rigor e critérios é algo que envolve um certo número de capacidades: a capacidade de usar o português de forma competente, a capacidade de compreender os conceitos expressos pelas termos gerais do português, a capacidade de formular frases claras para expressar crenças e formular hipóteses, a capacidade de raciocinar, de extrair conclusões, de forma logicamente correta a partir de afirmação justificadas, a capacidade de justificar afirmações, etc. O que poderia ajudar os alunos a desenvolver essas capacidades são os rudimentos de duas disciplinas filosóficas: a lógica, o estudo dos raciocínios logicamente corretos e daqueles que parecem ser corretos sem o ser (as falácias) e a epistemologia, que estuda a natureza, possibilidade e estrutura da crença, justificação e conhecimento. Em conexão com os rudimentos de outras duas disciplinas filosóficas, a ética e a política, lógica e epistemologia podem ajudar os alunos a melhorar seu modo de pensar sobre questões éticas e políticas.

Embora a epistemologia seja a disciplina que estuda o conhecimento e a justificação, há um certo tipo de justificação muito usado em ciência que merece um tratamento especial numa disciplina escolar como essa que estou tentando explicar. Trata-se na justificação de afirmações empíricas por meio de dados estatísticos. A razão pela qual esse tipo de justificação merece um tratamento especial é o fato de que muitas afirmações biológicas, psicológicas, sociológicas e econômicas, dentre outras, são justificadas dessas forma. Mas não apenas isso: dados estatísticos são, de forma relativamente fácil, manipulados para justificar afirmações desses tipos para aqueles que não estão familiarizados com esse tipo de justificação.[6] Por sorte, no momento em que escrevo esse texto, há um provável exemplo bastante didático e relevante desse tipo de manipulação. Trata-se de uma pesquisa que concluiu, com base em dados estatísticos, que o ensino obrigatório de filosofia e sociologia nas escolas está causando o declínio das notas dos estudantes em matemática (ver aqui). Todavia, uma coisa é que o ensino de filosofia e sociologia e a queda das notas em matemática ocorram simultaneamente. Outra coisa é que o primeiro seja a causa do segundo. Os dados estatísticos por si só não justificam essa hipótese causal. Muitas outras coisas podem ser a causa desse declínio nas notas sem que o ensino de filosofia e sociologia tenha qualquer influência causal no fenômeno.[7] A propósito, uma pesquisa divulgada em 2016 conclui exatamente o contrário para uma amostragem mais ampla (veja aqui). Em geral, dados estatísticos por si só não justificam hipóteses empíricas. É necessários realizar uma análise desses dados para poder tentar justificar qualquer hipótese com base neles. Uma outra maneira de se realizar manipulação estatística consiste em formular uma hipótese negativa de maneira positiva e vice-versa. Por exemplo: suponha que um programa de tratamento de viciados em drogas consiga sucesso em 60% dos que procuram o programa. Uma maneira de apresentar isso de forma negativa é dizendo que 40% daqueles que procuram o programa o abandonam antes de atingir o seu objetivo. Por tudo isso, o ensino dos rudimentos de análise estatística seria muito útil para que os alunos aprendam a identificar essas manipulações.

Sendo assim, contra aqueles que defendem a diminuição de disciplinas escolares, acredito que uma disciplina como a descrita acima ajudaria a promover a cidadania e, como consequência, a qualidade das decisões que os cidadãos tomam sobre questões importantes para nossa sociedade. Esse é apenas o esboço de uma idéia que submeto à crítica. Alguns tópicos da disciplina que tenho em mente já são abordados em outras disciplinas. Mas creio que a concentração deles em uma disciplina seria muito mais eficiente, dadas as conexões que há entre eles.

______________

[1] Isso é matéria de uma controvérsia na qual, por razões de espaço e tempo, não quero entrar aqui. Meu ponto é que a escola não é destinada unicamente à formação de mão de obra, pois um cidadão não é apenas um trabalhador. Por isso, a disciplina de matemática, por exemplo, embora tenha uma importância diferente da filosofia, não é mais importante que essa última.

[2] Essa definição pode ser adequadamente modificada para incluir a possibilidade de uma organização anarquista da sociedade, ou seja, uma organização sem estado. Basta que se substitua "estado" por "grupo social organizado" ou algo semelhante.

[3] Na Georgia, por exemplo, juízes estaduais devem receber no mínimo 50% dos votos populares apara ser nomeado. Veja aqui.

[4] Para as minhas razões pelas quais acredito que o projeto da escola sem partido não satisfaz sequer condições lógicas para ser justificado, ver minha postagem A contradição performativa da escola sem partido.

[5] Novamente nos EUA, os pais não são obrigados e enviar seus filhos para a escola, desde que providenciem um ensino particular para seus filhos. Veja

[6] Para uma explicação de algumas dessas manipulações, veja aqui (texto em inglês).

[7] A Sociedade Brasileira de Sociologia Lançou uma nota criticando a metodologia da pesquisa. Veja aqui.


2 comentários:

  1. Primeiramente, gostaria de parabenizar o Prof. Drº. por mais uma magnífica postagem!

    Gostaria, também, de sanar algumas dúvidas que me surgiram na medida em que lia o texto e o relacionava com pensamentos acerca da educação.

    - Sobre a formação de cidadãos: É correto dizer que o projeto de tal disciplina, assim como o próprio projeto de escolarização, não procura formar cidadãos, mas sim um certo tipo de cidadão? Afinal, se cidadão for 'aquele que faz parte de um estado', com seus direitos e deveres, não seria necessária tal disciplina e nem a própria escola, ou seria?

    - As melhorias prometidas pela escola e a disciplina em questão seriam (i) a promoção da cidadania e (ii) a qualificação das decisões tomadas sobre assuntos de interesse da sociedade. O que seria a 'promoção da cidadania'? E como funciona o julgamento sobre a qualidade de uma decisão?

    - O senhor diz que 'Pensar com rigor e critério sobre tais assuntos [questões éticas e políticas] deveria ser uma habilidade exercitada por todo cidadão. Mas, infelizmente, isso ocorre com pouca frequência'. Gostaria de saber qual a razão pela qual as pessoas deveriam pensar sobre questões éticas e políticas com rigor e critério? E, além disso, qual o motivo pelo qual 'isso ocorre com pouca frequência' e de que maneira a inclusão de uma disciplina como tal atacaria esse motivo - além de obrigar, assim como todas as demais disciplinas, as pessoas à assistirem aulas e realizarem tarefas?

    - É dito que 'Pensar com rigor e critérios é
    algo que envolve um certo número de capacidades'. De que maneira não é possível afirmar que todas as capacidades citadas no texto não são já trabalhadas na escola tradicional? E, assim, qual seria a grande diferença entre o resultado obtido com o ensino atual e com o ensino que inclui a disciplina sugerida pelo Professor?

    - Por fim, o Professor faz um questionamento: 'não é de se estranhar, para se dizer o mínimo, que no currículo de formação do ensino formal do nosso país não haja nenhuma disciplina dedicada explicitamente a ensinar essas coisas?'. Por que deveria haver uma 'disciplina dedicada explicitamente a ensinar essas coisas'? Qual o critério que deve ser atendido para que um assunto - ou uma série de assuntos - se torne uma disciplina escolar e outro não?

    Agradeço sua atenção desde já!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bruna, em primeiro lugar, não é necessário me chamar de Dr. Esse é um título acadêmico, não um pronome de tratamento.

      Os parágrafos abaixo contém respostas aos seus grupos de questões na ordem em que apareceram não seu comentário.

      (1) O exercício da cidadania é uma atividade que admite graus. Isso quer dizer que um cidadão pode cumprir com suas obrigações e exercer seus direitos em maior ou menor grau e com maior ou menor qualidade. Exemplo: algumas pessoas, por variadas razões, escolhem não se preocupar com questões políticas (não confundi-las com os anarquistas, que se preocupam muito com tais questões). Isso significa que elas escolhem não exercer seus direitos políticos nem cumprir suas obrigações políticas. Sendo assim, a educação informal e formal ajudariam as pessoas a exercitar a sua cidadania no seu grau máximo. Isso é o que eu chamo de *formar* cidadãos, dar uma formação que melhore o exercício da cidadania.

      (2) (i) já foi respondido acima em (1). (ii) Há vários critérios para julgar a qualidade das decisões dos cidadãos. Mas uma das principais, com certeza, consiste em estar bem informado sobre aquilo que irá decidir. E estar bem informado implica pensar com rigor e critério.

      (3) A razão pela qual se deveria pensar sobre questões éticas e políticas já foi dada no texto: suas respostas são estruturantes da sociedade. Razão pela qual se deve pensar com rigor e critério sobre tais questões é a mesma pela qual se deve pensar com rigor e critério sobre qualquer questão *importante*. Pensar de maneira desleixada sobre tais questões aumenta a chance de se tomar decisões erradas sobre o que é importante. Como professor de calouros há 17 anos, tive a oportunidade de testemunhar que uma grande arte dos alunos não sabe pensar cm rigor e critério. A causa disso deveria ser matéria de algum estudo sociológico de campo. Mas algumas coisas sobre tal causa parecem plausíveis à primeira vista. A capacidade de pensar com rigor e critério é algo que se aprende por meio da educação informal e formal. Portanto, essa educação deve estar falhando de algum modo. A disciplina que proponho ajudaria a melhorar essa situação pelas razões já apresentadas no texto: porque conteria rudimentos de lógica, epistemologia e análise estatística e o exercício desses rudimentos em discussões sobre questões éticas e políticas. Eu não vejo nenhum problema intrínseco em haver disciplinas em que os alunos deveriam ter aula e realizar tarefas.

      (4) Eu disse no meu texto: “Alguns tópicos da disciplina que tenho em mente já são abordados em outras disciplinas. Mas creio que a concentração deles em uma disciplina seria muito mais eficiente, dadas as conexões que há entre eles.” Vou dar apenas um exemplo, que creio ser paradigmático e esclarecedor: há uma disciplina filosófica chamada ética da crença que estuda se há e quais são as obrigações epistêmicas que também são morais. Isso não é abordado explicitamente e de modo sistemático por nenhuma outra disciplina na escola. No entanto, isso é vital para a questão sobre se o cidadão tem obrigações epitsêmicas que, embora não sejam legais, são morais. Apenas alguns dos tópicos da disciplina que proponho são abordados em outras disciplina e não na forma como proponho. Creio que a segunda pergunta desse grupo já foi respondida em (3).

      (5) Essas duas perguntas já foram respondidas. A primeira foi respondida em (3) e (4). A resposta da segunda está, implicitamente, no texto. Se o objetivo da escola é formar cidadãos e essa disciplina ajuda nessa formação, então ela deveria ser incluída no currículo.

      Excluir